sábado, 4 de junho de 2016

Um dos mais profundos círculos do inferno dantesco - NEWS!!! do mês de junho de 2016







- Já fui católico, hoje em dia não possuo mais religião.

- Minto, possuo sim.

- Possuo deus, religião, missa e liturgia.

- Qual é meu Deus?


- Aquele que inventou a* divina* MAR.

- Qual minha religião?

- Navegar à vela de ilha em ilha, pra ser feliz, sem jamais prejudicar meu próximo ou longínquo.

- Qual a missa que gosto de celebrar em estado de graça?

- Circum-navegar uma ilha até então desconhecida por mim.

- Qual minha liturgia?

- Preparar meu veleiro pra navegar em plena* MAR.

- Mas porque vou falando tanto assim de mim, se o tema deste post é outro?

- O que eu queria dizer-lhes é que admirei a originalidade da missa reinventada pelo cardinal Rainer Maria Woelki da cidade alemã de Colônia. 

- Qual?

- Ele rezou sua missa diante de uma canoa usada por uma centena de migrantes para atravessar a* "MAR-cemitério-Mediterrânea*".

- A matéria diz a bordo, mas sobre a foto ele está diante da canoa, como se ela fosse um altar.

- Seja como for, o cardeal Woelki merece um prêmio de originalidade, não?

- Coisa rara, a originalidade, na Igreja Católica...

- Talvez tenha sido por isso, que eu mais outros antigos fieis acabamos por "arribar".

- Falemos dos pobres migrantes a título de conclusão.

- Já imaginaram o quanto deve sofrer um migrante, durante uma dessas desesperadas travessias da* MAR Mediterrânea, a bordo de barcos mais amigos do naufrágio que da navegação?

- Eu que tenho navegado com frequência em alta* MAR, já refleti a respeito.

- Um dos mais profundos círculos do inferno dantesco não seria mais horripilante que a travessia do Mediterrâneo a bordo de um boat-people.

- Não desejo isso ao meu pior inimigo.

Fernando Costa




À Cologne, le cardinal Woelki dit la messe sur un bateau de migrants

Une barque de migrants en guise d’autel. C’est l’idée originale de l’archevêque de Cologne, le cardinal Rainer Maria Woelki, qui a célébré la messe de la Fête-Dieu, jeudi 26 mai, à bord d’un bateau placé sur le parvis de la cathédrale de la ville rhénane.

Cette barque de bois de 7 mètres de long, avait dérivé en Méditerranée, il y a quelques années, avec à son bord une centaine de réfugiés qui fuyaient la guerre en Libye et qui « ont ramé pour sauver leur vie ». La marine maltaise l’avait prise en charge, avait sauvé les réfugiés, et arrêté par la même occasion les passeurs libyens. « Ce bateau, nous l’avons acheté », a déclaré l’archevêque de... LINK

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seus comentários, críticas ou elogios farão meu blog evoluir. Obrigado por participar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...