sábado, 22 de julho de 2017

"Carambola da Bola Vermelha e da Bola Preta" - "Os Trabalhadores da* MAR" de Victor Hugo - RELEITURA 6




Tall ship alemão - 2013 - foto de Fernando Costa


- Após "La Jacressarde", decidi partilhar com vocês, amigas e amigos leitores deste oceâncio blog, mais um extrato de "Os Trabalhadores da MAR" de Victor Hugo, com tradução de Machado de Assis.

- Trata-se do meu livro favorito quando o assunto é
aventura MARítima.

- Desta feita selecionei o capítulo "Carambola da Bola Vermelha e da Bola Preta", que inclui o terrível diálogo abaixo entre Clubin e Rantaine.

- Em breve publicarei neste mesmo post um audio com uma leitura teatralizada que fiz deste mesmo texto.

- Minha amiga BF já o ouviu e gostou.

Fernando Costa

-------------------

OS TRABALHADORES DA MAR de Victor Hugo

LIVRO 5 - Capítulo VII - Carambola da Bola Vermelha e da Bola Preta

- Ora viva, Rantaine. Acaba o senhor de matar um homem.
- Como vê. Bom dia, Sr. Clubin.
- Reconheceu-me?
-Ué  não me reconheceu antes o senhor?
 - É...  o trabalho foi rápido.
- Em que posso ajudá-lo?
- Pouca coisa. Faz quase dez anos que não nos vemos. Imagino que tenha feito bons negócios. Como está de saúde?
- Bem e o senhor?
- Perfeitamente.
(Click!)
- Rantaine, estamos a quinze passos. É uma boa distância. Fique onde está.
-Ouço e obedeço. Mas o que quer o senhor de mim?
- Vamos conversar.
- O senhor matou agora mesmo um guarda-costa.
- Tenho certeza que já me disse isso antes.


- Em termos menos precisos. Sim! Disse há pouco: um homem; agora digo: um guarda-costa. O guarda-costa tinha o número 619. Era um pai de família. Deixa mulher e cinco filhos.
- É bem possível.
- São homens escolhidos esses guarda-costas. Quase todos antigos navegantes.
- É bem verdade, em geral deixam mulher e cinco filhos.
 - Adivinhe quanto me custou este revólver.
- É um lindo instrumento.
- Quanto  acha que vale?
- Vale muito.
- Custou-me 144 francos.
- Aposto que comprou-o na loja de armas da Rua Coutanchez.
- O guarda-costa nem gritou. A queda corta a voz.
- Sr. Clubin,  teremos vento forte esta noite.
- Sou o único que conhece seu segredo.
- Continua a morar na Pousada João?
- Sim. Vive-se bem ali.
- Concordo, lembro-me de lá ter comido muito boa couve fermentada.
Rantaine, o senhor deve ser bastante forte. Possui músculos de aço, imagino! Não gostaria de receber um cascudo seu. Era tão raquítico quando vim ao mundo, que nem se sabia se me poderiam criar.
- Felizmente criou-se.
- Sim, e continuo a morar na Pousada João.
- Sabe por que motivo eu o reconheci, Sr. Clubin? Porque o senhor me tinha reconhecido. Disse comigo: só Clubin pode reconhecer-me.
- Fique onde estava, Rantaine.
- A gente torna-se criança diante de uma máquina dessas.
- A situação é a seguinte Rantaine. Temos aqui à direita, do lado de Saint-Enogat, a trezentos passos, outro guarda-costa, o número 618, que está vivo, e à esquerda, do lado de Saint-Lunaire, um posto de alfândega.
Sete homens armados que podem estar aqui dentro de cinco minutos.
O rochedo ficará cercado. O desfiladeiro ficará guardado.
Impossível fugir. Há um cadáver ao pé da rocha.
- Como diz, Rantaine. É um lindo instrumento. Talvez esteja carregado com pólvora seca. Mas que importa? Basta um tiro para fazer acorrer a força armada. E eu tenho seis tiros.
- Rantaine, os homens do escaler que vai chegar, sabendo o que fez há pouco, ajudar-me-iam a prende-lo. O senhor paga 10 000 francos de passagem ao Capitão Zuela. Entre parentesis, a passagem ficaria mais barata se tratasse com os contrabandistas de Plainmont, mas estes só o levariam para Inglaterra, e demais o senhor não pode arriscar-se a ir a Guernesey, onde há quem tenha a honra de conhece-lo. Voltemos à nossa  situação. Se eu disparar, prendem-no.
Nesse caso pagará a Zuela 10 000 francos de fuga. Já lhe deu 5 000 francos; ZueIa guardará esses 5 000 francos e vai-se embora.
-  Caprichou na fantasia, hein amigo. Esse chapéu, esse casaco e essas polainas disfarçam-no deveras. Fez bem em deixar crescer as suíças. Pra ser perfeito, só ficou faltando um detalhe, óculos.
- Rantaine, o senhor veste uma calça americana com duas algibeiras. Numa delas tem o seu relógio. Pode ficar com ele, é todo seu.
- Obrigado, Sr. Clubin.
- Na outra há uma caixinha de ferro batido, que abre e fecha por molas. Trata-se de um pequeno cofre de marinheiro. Tire-o do bolso e atire-o para cá.
- Ohhh! Mas isto é um roubo!
- Pode chamar a polícia se quiser.
- Olhe, Mess Clubin...
- Fique onde está, Rantaine.
- Mess Clubin, arranjemos as coisas. Ofereço-lhe metade.
- Rantaine, que pensa que eu sou? Sou um homem honrado. .... - Quero tudo!
 - Duro de engolir esse aí.
- Creio que se engana. O seu nome é que é Roubo, o meu é Restituição. Ouça, Rantaine. Há dez anos saiu o senhor de Guernesey à noite, tomando da caixa de uma sociedade 50 000 francos que lhe pertenciam e esquecendo de lá deixar 50 000 francos que pertenciam a outra pessoa. Esses 50 000 francos roubados ao seu sócio, o excelente e digno Mess Lethierry, perfazem hoje, com os juros acumulados de dez anos, 80 666 francos e 66 centavos. O senhor entrou ontem na loja do cambista Reluchet, rua de São Vicente nº 13. Confere? Deu-lhe 76 000 francos em cédulas de bancos franceses e em troca, dele recebeu, três bank-notes da Inglaterra de 1000 libras esterlinas cada uma mais uns trocados. O senhor pôs essas banknotes no já mencionado cofre de ferro e este cofre de ferro na algibeira direita. As 3 000 libras esterlinas equivalem a  75 000 francos. Em nome de Mess Lethierry  entregue-me esta quantia. Parto amanhã para Guernesey e pretendo restituí-la a seu proprietário. Rantaine, a galera que ali está à capa é a Tarnaulipas. O senhor embarcou nela hoje, onde suas malas estão misturadas com os sacos e canastras da equipagem. Quer sair da França. Tem suas razões para isso. Vai a Arequipa. O escaler vem buscá-lo. Está à espera dele. Ele aí vem chegando. Já o estamos ouvindo. Depende de mim deixá-lo partir ou obrigá-lo a ficar. Basta de palavras. Atire cá o cofrinho de ferro.
- Seu táxi chegou. Pode ir, Rantaine. Boa viagem!
- Clubin você é mais canalha que o próprio diabo!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seus comentários, críticas ou elogios farão meu blog evoluir. Obrigado por participar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...