sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Introdução à série "Poemas de Manuel Bandeira versus grafites de rua, na ilha do Recife" - NEWS do mês de agosto 1




Grafite de rua em Recife, Pernambuco, Brasil - 2014 - foto de Fernando Costa



INTRODUÇÃO À SÉRIE "POEMAS DE MANUEL BANDEIRA VERSUS GRAFITES, NA ILHA DO RECIFE"

- Muito bom dia amigas e amigos leitores do oceânico serial-blog MVMA (MAR + VELEIROS + MEIO AMBIENTE)

- Já que Recife nasceu sobre um arquipélago, entre a* MAR e os rios Capibaribe e Beberibe.

- Já que estou de passagem pela ilha do Recife, aqui trazido não por vontade própria, mas pelos alíseos de SE.

- Já que a vida no planeta Terra, que deveria chamar-se ÁGUA, está mesmo condenada a
desaparecer em breve, como trágica consequência de nossa contumaz inconsequência de "des-humanos".

- Ainda duvidam?

- Já que um dos meus temas fotográficos favoritos são os grafites.

- Desde quando?

- Desde abril de 2012.

- Já que adoro combinar imagens com textos, de preferência curtos, de preferência versos de um grande poeta.

- Criei esta nova série de 30 posts combinando grafites que fotografei em Recife, capital de Pernambuco, com alguns dos meus versos favoritos do mais pernambucano dos poetas, nascido aqui mesmo em Recife.

- Estamos falando, é claro, do irreverente Manuel Bandeira.

- A lamentar só o fato de tão poucos grafites visíveis sobre os muros da cidade de Recife, terem a* MAR e suas incríveis, fantásticas, extraordinárias criaturas como tema.

- Outra observação, a julgar pelas dramáticas expressões das figuras que estes grafites nos mostram, o Apocalipse está mesmo bem próximo de nós.

- Próximo no tempo e no espaço.

- Mas isso é o que eu penso.

- E vocês, pensam o quê deste tão anunciado "fim-de-mundo" que se avizinha  de nós a passo de sengi, o mamífero mais veloz do planeta Terra, que deveria chamar-se ÁGUA?

- Ei, não estamos falando aqui do Apocalipse bíblico.

- Deste eu não entendo.

- Estamos falando do caos total, fruto de uma longa equação de causas, cada uma mais grave que a outra, algumas delas, efeitos que se tornaram causas de novos efeitos ainda mais graves e que estão se combinando em processo sinérgico, cujo derradeiro efeito promete ser terrivelmente desastroso.

- Que causas são estas?

- Aposto que vocês já ouviram falar delas:

- Explosão demográfica.

- Poluição da terra, do ar e das águas.

- Desmatamento.

- Acidificação das águas dos oceanos.

- Branqueamento dos corais.

- Exterminação de numerosas espécies de vegetais e animais a cada ano que passa, a cada mês que passa, a cada dia que passa. Ou seja, estamos falando de redução da biodiversidade. Entenda-se uma das causas mais importantes da nossa equação apocalíptica. Porque a vida na Terra, amigas e amigos, só é possível, se sustentada por uma ampla e irrestrita biodiversidade.

- Sabiam não?


- Alô, acorda Bela Adormecida!

- Acabou não. Tem mais, leiam:

- Mudanças climáticas.


- Aumento da temperatura global.

- Derretimento das neves e gelos polares.

- Elevação do nível dos oceanos.

- Escassez de água doce.

- Pandemias diversas.

- Perceberam que algumas dessas causas, são efeitos de causas anteriores?

- Sabiam que todo processo é cliente do anterior?

- Pergunta correlata, já ouviu falar do "Paradoxo do Nenúfar", amigo leitor? 

- Mais uma, conhece a "Teoria do Caos"?

- Outra, já tinha imaginado que "o bater das asas de uma borboleta no Brasil pode causar, tempos depois, um tornado no Texas"?

- A última, sabe qual o significado do "efeito borboleta"? (- Não? - E a janelinha do google, pra que é que serve?)

- Creio que os autores dos grafites que fotografei, selecionei e combinei com os versos do genial pernambucano Manuel Bandeira falam de tudo isso ao mesmo tempo e mais um pouco.

- Não?

- Sim?

- Talvez?

- Comentários?

- Espaço não falta pra vocês comentarem este post aqui embaixo.

- Percebem?

- Curiosidade 1- Manuel Bandeira nasceu e viveu durante a infância na Rua da União.


Curiosidade 2 - Estou redigindo este texto, que você está lendo, amiga leitora, na Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco, situada na rua João Lira, que faz esquina com as ruas da Saudade, da União e Aurora, todas citadas por Manuel Bandeira no poema "Evocação do Recife".


"Rua da União...

Como eram lindos os montes das ruas da minha infância
Rua do Sol
(Tenho medo que hoje se chame de dr. Fulano de Tal)
Atrás de casa ficava a Rua da Saudade...
...onde se ia fumar escondido
Do lado de lá era o cais da Rua da Aurora...

...onde se ia pescar escondido"


extrato do poema "Evocação do Recife" 
de Manuel Bandeira


Curiosidade 3 - A maioria dos grafites que selecionei para editar esta série, foram "pintados" durante os "Recifusion 4, 5 e 6".


Curiosidade 4 - Os nomes dos artistas que participaram dos Festivais Nacionais de Grafite de Recife, os Recifusions 4, 5 e 6, podem ser lidos neste site.


Curiosidade 5 - Eu quase fui atropelado fotografando um dos grafites desta série, na esquina da rua João Lira com Aurora. E depois a gente ainda morre de medo de velejar em alta* MAR. Lá onde o perigo é quase zero. Tem nada mais perigoso que esses sórdidos pardieiros, que nós des-humanos convencionamos chamar de cidades.


Curiosidade 6 - Andei pesquisando e encontrei a casa que pertenceu ao avô materno de Manuel Bandeira. Lugar onde ele viveu aqui em Recife, dos 6 aos 10 anos de idade, junto com os pais. Para minha agradável surpresa lá funciona o Espaço Pasárgada, onde todos foram muito gentis comigo, em especial o pesquisador Holmes Wanderley que muito me ajudou, por exemplo, pondo à minha disposição o livro "Manuel Bandeira Poesia Completa e Prosa", graças ao qual eu mudei vários posts desta série para melhor. Muito obrigado amigo Holmes, muito obrigado "Espaço Pasárgada", muito obrigado mestre Manuel Bandeira.


* - Trato o mar de A* MAR, porque pra mim e pros franceses idem, o mar é feminino em tudo.


Fernando Costa

serial-blog MVMA = MAR + VELEIROS + MEIO AMBIENTE 

CURIOSIDADE - Acredite se quiser, mas desde a inauguração deste blog, em 1º de julho de 2010, publicamos 100 posts por mês, todos os meses. Se não acreditou, clique no arquivo do blog, bem no alto da coluna da direita e comprove. :)


Ano - 4 >>>>> Mês - 49 >>>>> Post nº 4.901


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seus comentários, críticas ou elogios farão meu blog evoluir. Obrigado por participar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...